Publicidade

Publicidade
25/05/2009 - 09:25

Caso Watergate: a mancada jornalística do século

Compartilhe: Twitter

O “New York Times” desta segunda-feira publica a notícia que um repórter e um editor do jornal tiveram informações quentes sobre o escândalo de Watergate dois meses antes de Bob Woodward e Carl Bernstein darem início, no concorrente “Washington Post”, à série de reportagens que iria resultar na renúncia do presidente Richard Nixon. A ser verdade o que é relatado, trata-se da maior mancada jornalística da história.

Robert Smith, ex-repórter do “Times”, resolveu falar depois de saber que o ex-editor Robert H. Phelps incluiu a história em seu livro de memórias, recém-publicado. Segundo Smith, em 1972, dois meses depois da invasão do prédio Watergate, ele almoçou com o então diretor do FBI, L. Patrick Gray, que revelou detalhes explosivos do caso, envolvendo o procurador-geral John Mitchell e dando dicas da ligação da Casa Branca com o escândalo – relacionado a levantamento irregular de fundos para a campanha eleitoral de Nixon e o posterior encobrimento ilegal do caso.

Smith conta que voltou voando para a sucursal do “Times” em Washington e contou tudo que ouviu para seu chefe, Phelps, que tomou notas e gravou a conversa. A partir daí, a história começa a ficar estranha.

No dia seguinte, Smith deixou o “Times” e seguiu para a Universidade Yale, para cursar Direito. E dias depois, Phelps partiu para uma viagem de descanso de um mês no Alaska. E o que foi feito com as dicas dadas pelo diretor do FBI? E as anotações? E a gravação? São perguntas que o jornal faz hoje. As respostas são nebulosas.

“Não tenho idéia”, responde Phelps, hoje com 89 anos. Ex-colegas que ele entrevistou afirmam não ter conhecimento da história. “Foi, provavelmente, culpa minha”, ele diz. Smith conta que, durante o almoço com o diretor do FBI, ouviu que o Partido Republicano cometeu “truques sujos” durante a campanha para a eleição de Nixon.

“Ele (Gray) me disse que o procurador-geral estava envolvido no esforço de esconder o caso”. O então repórter lembra-se de ter perguntado: “Chega até onde? No presidente?” Segundo Smith, Patrick Gray olhou para ele e não respondeu. “Sua resposta estava no seu olhar”.

Escreve o “New York Times” hoje: “Se os relatos dele (Phelps) e de Smith estão corretos, o ‘Times’ perdeu a chance de sair na frente na grande reportagem da sua geração”.

Outro significado da revelação é que não apenas Mark Felt, o número 2 do FBI, estava passando informações para jornalistas (em 2005, ele revelou ser o Garganta Profunda, que abasteceu Woodward durante o escândalo), mas também o número 1 da agência estava revelando segredos sobre o caso.

A reportagem de hoje do “New York Times” sobre esse caso surreal pode ser lida aqui.  

Autor: - Categoria(s): jornalismo Tags: , , ,

Ver todas as notas

17 comentários para “Caso Watergate: a mancada jornalística do século”

  1. fábio disse:

    ………………………………………………………………………………………………………….
    ………………………………………………………………………………………………………….
    …………………………………..Nóóóóóóóóóssa…………….!?
    …………………………………………………………………………………………………………
    …………………………………….Júúúúúúúúiiira..?
    ………………………………………………………………………………………………………..
    …………………………………Gentéééénnnnnnn…?
    …………………………………………………………………………………………………………
    ………………….Eu tô bobo,……com éssa,… bomba…!!!
    …………………………………………………………………………………………………………
    ………………………..Já pensô,..sê isso for verdade………..??
    …………………………………………………………………………………………………………
    …………….Isso vai ser um MÁRCO,…em nóssas vidas….!
    …………………………………………………………………………………………………………
    ……………..Qué dizê,..que o,…..”TAIMES”,…sabia di tiudju
    ………………………………………………………………………………………………………..
    …………………………………….ãntes,..do outro..??
    …………………………………………………………………………………………………………
    …………………………Djisus,..Djisus,..mary,….jhôsé..!!!
    …………………………………………………………………………………………………………
    …………………Só rezando ,….mesmo,….(..em inglês…claro)
    ………………………………………………………………………………………………………..
    ……………….Qué dizê,….depois do, ….”futuro da Neeswwek”,…..
    ………………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………….agóra é,
    ………………………………………………………………………………………………………..
    ………………………..o passado do,….’ TAIMES”…..!
    ………………………………………………………………………………………………………..
    ………………………………………………………………………………………………………..
    …………………………………………….Ólha,…………………………………………………
    ……………………………………………………………………………………………………….
    ………………..o que será de nós,…….póbres colonizados,
    ………………………………………………………………………………………………………
    ………sê tudo isso acontecer com a imprensa americana…?
    ……………………………………………………………………………………………………….
    ……………………………………………………………………………………………………….
    ………………………………CONGRATULEiCHÃNS,
    ……………………………………………………………………………………………………….
    ……………………………………………Stycer,
    ………………………………………………………………………………………………………
    ……………………….véry,…véry,….naice,….yóur,…..téxty…!
    ………………………………………………………………………………………………………
    ………………………………….thankyou,….sô mãchi.
    ………………………………………………………………………………………………………..
    …………………………………………………………………………………………………………

  2. Flavio Tavares disse:

    Esta notícia é realmente “quente”… Ou será “gelada”? Afinal, é uma novidade sem expressão, que já faz uns 40 anos… Quem sabe não aparece algo mais interessante, hein?

  3. Alex disse:

    Difícil saber se não foi uma pizza ou medo de represálias.
    O comportamento da impressa americana, em relação a política, é muito conservador, muito “let it be…”

  4. disse:

    Nossa, que coisa hein.

  5. OMAR disse:

    Mancada foi publicar isto aí. Até parece que com isto o mundo estará salvo dos exploradores do mundo, dos assassinos de crianças e idosos e outros mais, nos mais diversos paises do mundo, para “defenderem seus direitos”.

  6. aldo disse:

    Então o Partido Republicano é viciado em manipular eleições.Lembram da eleição do Bush filho? Foi ” flórida” a maracutaia no estado governado pelo irmão dele.
    Ou seja:Era REPETECO !!!! e por que o NY Times calou? Conivência ?

  7. Marcos Negrão disse:

    Porra Stycer, que tremendo furo de reportagem. Acho que nessa você deu um tremendo tiro no pé, cara.

  8. Antonio Jorge Bacha disse:

    O IMPÉRIO é exemplo de que e pra quem?
    Tudo que o QUINTAL exporta são riquesas das suas terras e de seus povos, o IMPÉRIO só tem falcatruas em política, negócios e relações internacionais. Caramba……………….até onde isso vai se sustentar no contexto global?

  9. Chato disse:

    Realmente uma mancada do NYT ou conivência do diretor de plantão?. Sei lá, até hoje não houve uma explicação coerente. Afinal Nixon estava ciente do fato ou não?. São tantas interrogações (morte dos Kennedy – John e Robert e o Lula sabia das maracutaias ou não no mensalão). Mas notícia quente qual é: o Palocci vai ser absolvido por faltas de provas. Isto seria notícia quente?. Ou o esperado?

  10. armando jonas disse:

    Mauricio, achei super-interessante o seu post sobre a mancada do Washington Post. Provavelmente, foi um jogo de interesses com o poder o que motivou o arquivamento do caso.
    Ps. Só não entendo, porque você publica um comentário tão bobo de um leitor ao que tudo indica igualmente bobo, que se assina Fábio, e que ainda por cima ocupa um espaço tremendo dos comentários? Dá uma editada nisso, vai!

  11. armando jonas disse:

    Em tempo: Não sugiro que você censure nem o mais bobo dos bobos, mas pelo menos encurta o espaço.

    Abs.

    Resposta do Mauricio:
    Obrigado, Armando. Não acho correto editar comentários. Se eles não trazem nenhum ofensa, a mim ou a terceiros, publico-os. Eventualemente, corrijo algum erro gritante de português. Só isso.

  12. everaldo disse:

    …e a tão propalada liberdade de imprensa americana, onde estava ?

  13. Marcelo disse:

    “Segundo Smith, em 1972, dois meses antes da invasão do prédio Watergate, ele almoçou com o então diretor do FBI, L. Patrick Gray, que revelou detalhes explosivos do caso…”

    Não seria 2 meses APÓS a invasão? Senão não seria um furo, mas sim um caso de clarividência. Abcs.

    Resposta do Mauricio
    Corrigido. Muito obrigado

  14. samuel disse:

    Mauricio, o interessante do teu texto, que se refere a um fato passado e quem muitos leitores, (e alguns comentarios aqui publicados), é que muitos consideram “fato superado”, “coisa que ficou pra trás”.
    O fato foi ontem, mas a ética e o respeito pelas instituições e regras da sociedade com relação a cidadania, é de sempre, nunca fica velho.
    Nunca é demais relembrar, para que nao se repita no futuro. Pra isso serve a história, se presta o dom de contar a geração futura.
    Acho que, de jornalismo vc entende mais do que eu. Como diz a regra: “o reporter pode publicar tudo, é livre para isto, só não pode desagradar o patrão”.
    Não houve “barriga”, houve interesse superior.
    Interesse politico, partidário, de doadores da campanha.
    Vc sabe, muitas vezes a verdade tem que ficar escondida.
    O problema é que a verdade é rebelde, nunca se comporta conforme os interesses.
    Um abraço

  15. BuBa disse:

    25/05/2009 – 19:40 Enviado por: samuel
    Samuel eu concordo com o seu comentário.
    No caso citado o repórter passou as mais valiosas informações para o seu “chefe* .
    E os acordos efetuados na época e o jogo do poder permitiram o seu arquivamento e um grande esquecimento. rs
    Enfim agora aparecem histórias e histórias … é sempre assim né
    rs

    😉

  16. Carolina disse:

    Também concordo com o Samuel.

    Acho digno sua postura de não censurar nenhum comentário… Mas nossa, que inconveniente esse Fábio! Quanto tempo inútil ele gastou desenhando essas coisas? Aiai…

  17. […] Caso Watergate: a mancada jornalística do século | Mauricio Stycer colunistas.ig.com.br/mauriciostycer/2009/05/25/ – cached page O “New York Times” desta segunda-feira publica a notícia que um repórter e um editor do jornal tiveram informações quentes sobre o escândalo de — From the page […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo