Publicidade

Publicidade

25/08/2009 - 12:36

“A Fazenda”: Uma reflexão sobre os sentidos da imitação

Compartilhe: Twitter

Para alegria dos leitores que reclamaram dos meus textos sobre o “BBB9”, não pude dedicar a mesma atenção ao reality show “A Fazenda”, da Record. Assisti apenas alguns episódios e não cansei de me espantar com a semelhança, em inúmeros aspectos, com o reality global.

Não é novidade nenhuma que o projeto da Record leva em conta, numa mão, a grade da Globo – um fenômeno que transparece em inúmeros programas, tanto na área de entretenimento quanto de jornalismo. 

Assistindo ao duelo entre Dado Dolabella e Danni Carlos no último episódio de “A Fazenda” me dei conta, no entanto, de algo talvez óbvio, mas que vinha me passando despercebido: o sucesso da imitação de uma emissora pela outra só ocorre porque há uma cumplicidade de desejos entre a Record e o seu público – este último quer ver na sua tela uma imitação da emissora líder, com tudo que há de tosco nela. Convido os visitantes deste blog a lerem texto que escrevi a respeito, defendendo essa idéia, intitulado Público deseja que a Record imite a Globo, publicado na segunda-feira, 24, no Último Segundo.

Para quem, por acaso, tiver interesse em mais textos sobre o assunto, escrevi sobre “A Fazenda” em três outras ocasiões: na desastrada estréia, quando Dado e Britto Jr. discutiram publicamente por causa de um remédio e no dia em que descobri que o cachorro do programa era parte de uma ação de merchandising.

Autor: - Categoria(s): Cultura, jornalismo, televisão Tags: , , , , , , ,
10/08/2009 - 11:04

Briga de mulheres: de “Seinfeld” a “Caminho das Índias”

Compartilhe: Twitter

No último episódio da oitava temporada de “Seinfeld”, intitulado “The Summer of George”, Elaine e dois colegas de escritório fazem fofoca sobre Sam, uma moça desengonçada que trabalha na mesma empresa. Um deles diz que os braços de Sam, ao andar, balançam como “salames”. O outro o corrige e diz: “Ela anda como um orangotango”. Elaine comenta: “Melhor chamar o zoológico”. O primeiro colega faz um som, imitando um gato: “Grrrr…”. “O quê?”, pergunta Elaine. “Ssssss”, responde o outro colega. E o primeiro acrescenta: “Felina…”

Indignada por ficar com a fama, Elaine comenta a cena ocorrida no escritório com Jerry Seinfeld, que apenas observa e grunhe: “Grrrrr…” Não vou entrar em detalhes sobre os desdobramentos do episódio – genial como sempre e que inclui uma participação especialíssima da atriz Raquel Welch, no papel de uma prima donna decadente chamada Raquel Welch.

O fato é que, a certa altura, Elaine pergunta a Jerry porque os homens gostam tanto de ver brigas entre mulheres. Ou “catfight”, como diz Kramer. A resposta do humorista é puro Seinfeld: “Os homens acham que quando duas mulheres estão se agarrando e arranhando existe uma possibilidade, sabe-se lá como, de elas se beijarem”.

Dois episódios na última semana me fizeram voltar a Seinfeld. O primeiro ocorreu no lançamento da “Playboy” que traz a ex-BBB Priscila na capa. Quem não acompanhou o programa deve ter estranhado que Priscila vetou a entrada de Ana, colega de confinamento, na festa da revista, num bar, no Rio. “Grrrrr”, diria Seinfeld. Priscila foi alvo de várias intrigas durante o BBB9, protagonizadas por Maíra, Josy, Naiá e Ana. E mostrou que, passados quatro meses do encerramento do programa, não esqueceu de nada. “Sssss….”

A outra briga foi mais pesada. Deu-se no horário nobre da Globo, na novela “Caminho das Índias”. Depois de descobrir que seu marido havia presenteado uma amiga sua, Yvone (Letícia Sabatella), com jóias caríssimas, a perua Melissa (Christiane Torloni) parte para o ataque. Na sala de massagens do clube, Melissa tira o chapéu antes de dar uma surra em Yvone com uma violência que não se via desde que Maria Clara (Malu Mader) trancou o banheiro e acabou com Laura (Claudia Abreu) na novela “Celebridade” (2003).

A discussão sobre qual briga foi melhor, digo, mais bem encenada, já corre solta na Internet. Pelas participantes envolvidas, gostei mais da briga na novela de Gilberto Braga, mas reconheço que a cena exibida na novela de Gloria Perez não é uma pancadaria de se jogar fora. “Catfight”…

Autor: - Categoria(s): Colunismo social, televisão Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
05/08/2009 - 09:51

Comprei a “Playboy” só para ler o poema do Bial

Compartilhe: Twitter

Foi, por muito tempo, uma piada, mas dizia muito sobre a qualidade do conteúdo da edição brasileira da “Playboy”: “comprei a revista só para ler a entrevista do mês”. E não apenas a longa entrevista, normalmente resultado de várias sessões com o entrevistado, mas também as reportagens e textos de ficção, toda edição de “Playboy” oferecia, para além dos ensaios fotográficos, muita coisa para ler.

Depois de muitos anos sem comprar, fui às bancas atrás da edição especial de aniversário, que comemora 34 anos da revista. Na capa, acompanhada apenas de um ponto de exclamação ao lado de seu nome, um sapato de salto alto e notas de dólares presas a uma liga, Priscila olha para o leitor com uma cara entre safada e surpresa.

Levei um susto, lendo o editorial, ao descobrir que hoje a revista destina-se a um leitor de “mãos viris”. Mas segui em frente. Lá dentro, em quase 30 páginas, Priscila Pires exibe as suas qualidades num ensaio que se propõe a simular uma fantasia, intitulado “Princesa devassa”, mas que mostra a sul-mato-grossense exatamente como os espectadores do BBB9 a viram, apenas sem nenhuma roupa.

A cereja do bolo, diferentemente do anunciado, não é o piercing na região mais íntima, mas o “poema” que Pedro Bial se propôs a escrever sobre a moça. Intitulado “Para minha princesa”, a obra em 22 versos termina assim: “Eu sou súdito da Princesa Priscila! / Súdito da Princesa Priscila, e isso não é para quem pode. / É só para quem quer”.

A entrevista do mês, com a atriz Christiane Torloni, ocupa oito páginas, mas não se compara, em interesse e diversão, às 20 perguntas dedicadas a Joel Santana, no finzinho da revista. Além de desancar Dunga, o técnico da seleção da África do Sul fala com a sinceridade habitual sobre vários assuntos – o seu inglês precário, os críticos, a sua experiência fracassada no Corinthians e diz o que pensa de jogadores que não gostam de treinar: “O cara tem que escolher se quer ser jogador de futebol ou pagodeiro.” Vale a pena.

Autor: - Categoria(s): jornalismo, televisão Tags: , , ,
25/06/2009 - 09:49

‘A Fazenda’ ensina ao ‘BBB’: roupa suja se lava em público

Compartilhe: Twitter

Três semanas depois de estrear, “A Fazenda” já escreveu seu nome na história da televisão brasileira, com lugar de destaque no capítulo sobre o que de pior, involuntariamente, já foi produzido em estúdios nacionais.

A discussão entre Dado Dolabella e Britto Jr., quarta-feira à noite, ao vivo, é desses momentos que renovam a esperança do espectador numa espécie de lei de Murphy da televisão, a saber: qualquer programa ruim sempre pode piorar – para alegria de quem se diverte com atrações capengas, mal feitas e mal dirigidas.

O chamado “trash” televisivo é um gênero que exige falta de recursos, falta de traquejo e falta de humor. O resultado dessa rara combinação é o humor involuntário, a graça inesperada, a diversão nas franjas.

Para quem não viu, já há cópias da cena no You Tube. Começa pela indicação de Dado para o paredão pelo ator Jonathan Haagensen. Indicação merecida, já que, de manhã, Dado havia chicoteado as costas de Miro Moreira, confundindo-o com a vaca que deveria colocar no curral. Dado, no vídeo, não reclama da indicação. Entende e aceita. Mas protesta contra a direção do programa.

Dado conta que havia combinado receber o remédio que toma contra insônia, mas fora informado, na véspera, que não receberia a dose combinada. Deixa implícito que o seu comportamento foi influenciado pela falta do tarja preta e de uma noite sem dormir. Britto Jr., com aquele seu admirável jogo de cintura, começa a discutir com Dado, acusa-o de dizer uma “meia verdade” e defende a direção, argumentando que o ator deveria fazer o seu pedido no confessionário (aqui chamado de “câmera do desabafo”), e não pelos cômodos da casa.

São cinco minutos históricos, que deveriam ensinar muita coisa à Globo. Aprendendo enquanto faz, a Record, depois de tanto copiar, finalmente inovou em matéria de reality show: roupa suja se lava em público. Acabou o confessionário! Boninho, que já deu muita bronca em candidato do BBB (lembra-se da Mirla?), deve estar se perguntando como superar esse “golpe”. Com “A Fazenda”, os “desabafos” são agora um direito do público. Parabéns.

Autor: - Categoria(s): televisão Tags: , , , , , , ,
11/06/2009 - 13:20

Boninho, o Twitter e a falta de ética

Compartilhe: Twitter

Outro dia, entrevistado por uma repórter sobre os usos possíveis do Twitter, eu respondi que ele ainda é uma ferramenta mais de divulgação de informações produzidas em outras áreas (blogs, jornais, sites) do que de geração própria de notícias.

Mudei de opinião depois de conhecer o Twitter do Boninho, o poderoso diretor da Rede Globo (responsável por programas como “Mais Você”, “Vídeo Show”, “BBB”, “Jogo Duro”, “No Limite” etc).

O seu Twitter é um espaço privilegiado para descobrir novidades sobre os bastidores da emissora, além de uma ferramenta útil para entender o que passa pela sua cabeça. Quem lê o miniblog do Boninho, por exemplo, soube antes de todo mundo, ainda na quarta-feira (10), que Grazi Massafera entrou para a “lista negra” do “Vídeo Show” por se negar a participar do programa. Essa mesma notícia aparece com destaque, nesta quinta-feira, nas colunas de Patrícia Kogut (“O Globo”) e Daniel Castro (“Folha”).

Boninho também está usando o Twitter para criticar a concorrência. Postou vários comentários em tempo real no dia da estreia de “A Fazenda”, o reality da Record que é meio “BBB”, meio “Casa dos Artistas”. Britto Jr, apresentador do programa, considerou falta de ética um concorrente criticá-lo. O diretor da Globo voltou ao Twitter para replicar: “Não sou jornalista, não preciso ter ética!”.

É difícil acreditar que uma pessoa com alguma instrução fale isto a sério – logo, tendo a acreditar que Boninho está brincando, reforçando o personagem que criou. “O Boninho é engraçado porque ele faz questão de manter a fama de mau”, disse Pedro Bial ao Último Segundo, em março. Ou seja, ao defender que não precisa ter ética, Boninho está apenas fazendo uma brincadeira de mau gosto, o que ajuda a explicar muita coisa que assistimos na tevê.

Atualizado às 19hs: Esse post provocou uma conversa meio maluca no Twitter. Em resposta a mim, Boninho publicou o seguinte comentário: “Mauricio, brincadeira nunca foi defesa, e fazer TV não é! Fake ou real, no twitter nada se cria, mas se transforma. http://tinyurl.com/l76q6x.” O twitteiro @Cuei enviou, então, a Boninho a seguinte provocação: “pra variar, falou, falou e não disse nada” E Boninho respondeu a Cuei: “é pra não falar mesmo ou meias palavras bastam, hoje cheio de frases feitas, irc”.

Autor: - Categoria(s): televisão Tags: , , , , , , ,
03/03/2009 - 10:43

Bial apresenta projeto de novo programa para a Globo

Compartilhe: Twitter

Encerrado o BBB9, na primeira quinzena de abril, Pedro Bial deve se dedicar com mais afinco ao projeto de um novo programa, intitulado “Assunto”. Em dobradinha com o diretor João Carrascosa, parceiro de Bial na série “É Muita História”, o programa se propõe a discutir, a cada episódio, um assunto de interesse popular sob uma abordagem multidisciplinar. “Você nunca viu as coisas desse ponto de vista”, é o mote do programa. “Informação com linguagem não jornalística”, adianta Bial. A intenção do jornalista é estrear “Assunto” no segundo semestre de 2009, na mesma faixa de horário, mas em dia diferente, naturalmente, que “Profissão Repórter”, de Caco Barcelos.

A propósito da entrevista com Bial sobre o BBB, publicada ontem no Último Segundo, não teria muito a acrescentar. Bial foi muito receptivo e, como escrevi, me pareceu muito franco na abordagem dos assuntos propostos. Se houve assuntos não abordados, a culpa se deve exclusivamente a este repórter – como já escrevi antes, esta é a primeira temporada em que assisto BBB regularmente.

A esse respeito, aproveito para agradecer de público às jornalistas Paula Balsinelli e Raquel Paulino, que cuidam do ótimo site especial do iG sobre o BBB e, de quebra, têm cuidado de mim nestes dias. Além das verdadeiras aulas que estão me dando sobre o assunto, também me ajudaram com idéias na preparação para a entrevista.

Autor: - Categoria(s): televisão Tags: , , ,
Voltar ao topo