Publicidade

Publicidade

25/08/2009 - 12:36

“A Fazenda”: Uma reflexão sobre os sentidos da imitação

Compartilhe: Twitter

Para alegria dos leitores que reclamaram dos meus textos sobre o “BBB9”, não pude dedicar a mesma atenção ao reality show “A Fazenda”, da Record. Assisti apenas alguns episódios e não cansei de me espantar com a semelhança, em inúmeros aspectos, com o reality global.

Não é novidade nenhuma que o projeto da Record leva em conta, numa mão, a grade da Globo – um fenômeno que transparece em inúmeros programas, tanto na área de entretenimento quanto de jornalismo. 

Assistindo ao duelo entre Dado Dolabella e Danni Carlos no último episódio de “A Fazenda” me dei conta, no entanto, de algo talvez óbvio, mas que vinha me passando despercebido: o sucesso da imitação de uma emissora pela outra só ocorre porque há uma cumplicidade de desejos entre a Record e o seu público – este último quer ver na sua tela uma imitação da emissora líder, com tudo que há de tosco nela. Convido os visitantes deste blog a lerem texto que escrevi a respeito, defendendo essa idéia, intitulado Público deseja que a Record imite a Globo, publicado na segunda-feira, 24, no Último Segundo.

Para quem, por acaso, tiver interesse em mais textos sobre o assunto, escrevi sobre “A Fazenda” em três outras ocasiões: na desastrada estréia, quando Dado e Britto Jr. discutiram publicamente por causa de um remédio e no dia em que descobri que o cachorro do programa era parte de uma ação de merchandising.

Autor: - Categoria(s): Cultura, jornalismo, televisão Tags: , , , , , , ,
13/07/2009 - 14:27

Nem o cachorro é de verdade na “Fazenda”

Compartilhe: Twitter

Passei uns dias sem assistir “A Fazenda” e, ao regressar neste domingo, fiquei espantado. Não acontece nada neste programa. Ninguém briga com ninguém. Ninguém namora ninguém. Ninguém fala nada engraçado. Ninguém conspira contra ninguém… Que reality é esse?

De mais picante até agora, se entendi direito, é esse – como podemos chamar isso? –  “chove, não molha” entre Mirella e Carlinhos. Mas o ex-namorado da Sabrina Satto avisou em rede nacional que conhece Latino, o marido da Mirella, e jamais “faria isso” em público. Ou seja, a lengalenga vai continuar.

Só para se ter idéia do marasmo, veja as últimas notícias do programa, direto do blog  que a turma do Babado está fazendo:

1. “Tomara que ele vá logo embora”, diz Mirella com raiva de Carlinhos. Comentário do blog: “É claro que todos sabem que a loira só falou isso na hora da raiva… Mirella ficou com raivinha”; 2. “Jonathan é encrenqueiro”, alfineta Mirella; 3. Jonathan pede desculpas para Samambaia; 4. Dani Carlos fica três dias sem tomar banho; 5. Luciele briga com Fabiana por causa das roupas de Samambaia; 6. Sem paciência, Pedro dá bronca em Luciele; 7. Samambaia confessa que já traiu o ex-namorado Gustavo; 8. Luciele questiona a amizade de Fabiana; 9. Cai na Internet vídeo de Jonathan fazendo “telefonema” para Latino; 10. Danni Carlos diz que conversa com Deus desde criança.

Quanta animação!!!

E cadê o Dado Dolabella? Neste domingo, vi o ex-bad boy em três situações apenas: abraçando os colegas que voltaram do paredão, fazendo carinho num cachorro e sorrindo para todos os lados. Pelo visto, a Record voltou a fornecer o medicamento que combinou com o ator.

Ah! O cachorro. Outra novidade para mim. Tem um golden retriever dentro da casa. O bicho, bonito e carinhoso, dá trela para todo mundo e anda com uma bandana amarrada em volta do pescoço. Num primeiro momento, li apenas o seu nome, Max, e pensei: eis, enfim, um momento de bom humor e ironia da “Fazenda” – batizar o cão com o nome do vencedor do último BBB, da rival Globo.

Ainda pensei: ótima idéia, substituir o Theo Becker pelo Max. A animação vai continuar, imaginei. Melhor que isso, só se o cachorro se chamasse Priscila. Ou, melhor ainda, como sugeriu uma amiga, só se o Theo e o Max pudessem dividir o mesmo teto na casa.
 
Mas comecei a estranhar depois de ouvir Britto Jr. tecer loas ao bicho: “Não existe a menor dúvida que o cão é o melhor amigo do homem”, disse. Hum… Prestei mais atenção e me dei conta do óbvio: Max é o nome de uma linha de produtos para cães. Está lá por força de uma ação de merchandising. E mais, li no site do fabricante: o cachorro vai ficar em “A Fazenda” até o final do programa.

Em resumo, não acontece nada na “Fazenda” e, quando acontece, não é de verdade.

Autor: - Categoria(s): televisão Tags: , , , , , , , , ,
25/06/2009 - 09:49

‘A Fazenda’ ensina ao ‘BBB’: roupa suja se lava em público

Compartilhe: Twitter

Três semanas depois de estrear, “A Fazenda” já escreveu seu nome na história da televisão brasileira, com lugar de destaque no capítulo sobre o que de pior, involuntariamente, já foi produzido em estúdios nacionais.

A discussão entre Dado Dolabella e Britto Jr., quarta-feira à noite, ao vivo, é desses momentos que renovam a esperança do espectador numa espécie de lei de Murphy da televisão, a saber: qualquer programa ruim sempre pode piorar – para alegria de quem se diverte com atrações capengas, mal feitas e mal dirigidas.

O chamado “trash” televisivo é um gênero que exige falta de recursos, falta de traquejo e falta de humor. O resultado dessa rara combinação é o humor involuntário, a graça inesperada, a diversão nas franjas.

Para quem não viu, já há cópias da cena no You Tube. Começa pela indicação de Dado para o paredão pelo ator Jonathan Haagensen. Indicação merecida, já que, de manhã, Dado havia chicoteado as costas de Miro Moreira, confundindo-o com a vaca que deveria colocar no curral. Dado, no vídeo, não reclama da indicação. Entende e aceita. Mas protesta contra a direção do programa.

Dado conta que havia combinado receber o remédio que toma contra insônia, mas fora informado, na véspera, que não receberia a dose combinada. Deixa implícito que o seu comportamento foi influenciado pela falta do tarja preta e de uma noite sem dormir. Britto Jr., com aquele seu admirável jogo de cintura, começa a discutir com Dado, acusa-o de dizer uma “meia verdade” e defende a direção, argumentando que o ator deveria fazer o seu pedido no confessionário (aqui chamado de “câmera do desabafo”), e não pelos cômodos da casa.

São cinco minutos históricos, que deveriam ensinar muita coisa à Globo. Aprendendo enquanto faz, a Record, depois de tanto copiar, finalmente inovou em matéria de reality show: roupa suja se lava em público. Acabou o confessionário! Boninho, que já deu muita bronca em candidato do BBB (lembra-se da Mirla?), deve estar se perguntando como superar esse “golpe”. Com “A Fazenda”, os “desabafos” são agora um direito do público. Parabéns.

Autor: - Categoria(s): televisão Tags: , , , , , , ,
01/06/2009 - 09:26

“A Fazenda” começa com oração a Deus por “salto na carreira” das subcelebridades

Compartilhe: Twitter

O que de pior o espectador poderia esperar de “A Fazenda” – o reality show da Record – aconteceu na noite de estreia, neste domingo. Meio “Casa dos Artistas”, com suas “celebridades” de terceiro e quarto escalão, meio “Big Brother”, com seu líder (“o fazendeiro da semana”) e o paredão semanal (“a roça”), o programa começou lento, sem graça e, surpreendentemente, carola.

Britto Jr, coitado, amarrado a um roteiro monótono, só sabia perguntar se os participantes estavam emocionados de ouvir frases de apoio, gravadas, de parentes e amigos.  É da escola de jornalismo que provoca o entrevistado até ele chorar, enquanto a câmera aproxima-se do olho da vítima, em busca de uma lágrima, e depois dispara algum comentário do tipo: “Está emocionada, não? Dificil não se emocionar…”

Tive, neste domingo, a oportunidade de ser apresentado a algumas “celebridades” que, por ignorância, desconhecia existir: Fabio Arruda, “consultor de etiqueta”; Luciele di Camargo, namorada do jogador Denilson; Barbara Koboldt, jornalista de celebridades; Mirella Santos, “a senhora Latino”; Miro Moreira, “modelo internacional”; Carlinhos da Silva, “o Mendigo do Pânico”; e Pedro, “da dupla Pedro e Tiago”.

Já tinha ouvido falar de alguns outros, mas não conhecia a cara, ou não reconheci, depois de algumas mudanças: a apresentadora Babi “eu falo muito” Xavier;  a atriz Franciely Freduzesky (“ser rotulada como a mulher gostosa… quem não gosta?”); o ator Theo Becker (“já foi protagonista de uma novela”); Danielle Souza (“para quem não sabe, essa é a nossa Mulher Samambaia”); e a cantora e atriz Danni Carlos (“rock´n roll na fazenda”).

Conhecer mesmo, eu posso dizer que conheço dois participantes: Jonathan Haagensen, um dos melhores atores do filme “Cidade de Deus”, e Dado Dolabella, um dos melhores atores de todas as revistas e sites de celebridades do País.

Depois de duas horas e quarenta minutos apresentando essa gente toda, Britto Jr. avisou: “Este é um momento histórico para mim, para a Record e para a televisão brasileira”. Realmente, não entendi – e gostaria de saber – por que esse é um momento tão histórico. “A Fazenda” tem tudo para se tornar um clássico do “trash” televisivo brasileiro – mas daí a ser “histórico” vai uma grande diferença…

A não ser que Britto Jr. já soubesse o que iria acontecer em seguida: os 14 participantes entraram na fazenda, tomaram um gole de espumante rosé e, comandados por Babi, reuniram-se para uma oração. Sim. O reality show da Record começou com uma prece coletiva. Primeiro, Babi pediu: “Senhor, que a gente aprenda a ser um ser humano melhor”. Depois, foi mais objetiva: “Jesus, que todos nós tenhamos um salto em nossas carreiras”. Ouviram-se alguns “amém”.

Autor: - Categoria(s): televisão Tags: , , , ,
18/03/2009 - 17:45

O que Dolabella e o taxista têm em comum? Foram pegos pela Lei Maria da Penha

Compartilhe: Twitter

O caso que se segue me foi relatado dentro de um táxi, a caminho do aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, no início deste ano. É a versão de um agressor. Não ouvi a versão da agredida, mas resolvi colocar aqui este relato porque me chamou a atenção para um assunto que eu desconhecia e que acaba de ganhar as manchetes com a prisão de Dado Dolabella, cuja história lembra muito a que eu ouvi.

Silvio (nome fictício) é casado há 26 anos. Tem três filhos. Em uma fase boa da vida, quando tinha algum dinheiro sobrando, “aprontou” (palavras suas) algumas. Teve alguns casos fora do casamento. Certa vez, diz, irada com o seu comportamento, sua mulher picotou as suas roupas.

Hoje, Silvio dirige um táxi, que não é seu. Afirma que não apronta mais. Teve uma discussão séria com a mulher. “Me exaltei”, ele reconhece. Ameaçou a mulher. Mas não a agrediu fisicamente, garante.

A mulher deu queixa na delegacia. O caso foi enquadrado dentro da chamada Lei Maria da Penha, sancionada em agosto de 2006, com o objetivo de coibir a violência doméstica contra mulher. A lei tipifica a ameaça de agressão como um crime, uma forma de violência contra a mulher. A lei também prevê “medidas protetivas de urgência”, a serem determinadas pelo juiz enquanto o caso não se conclui, para evitar riscos à mulher.

O juiz deste caso determinou que Silvio não retornasse à sua casa enquanto o processo não terminasse. Em consequência da briga de Dado Dolabella com Luana Piovani, o juiz determinou como medida protetiva que o ator mantivesse, em qualquer situação, uma distância mínima de 250 metros da atriz.

Silvio diz que estava acatando a determinação até que uma audiência que teria para discutir o caso foi adiada. Perdeu então a paciência e resolveu voltar para a casa. Sua mulher comunicou à Justiça que o marido havia violado a decisão. No caso de Dolabella, se entendi, ele não respeitou a decisão em duas situações, no carnaval e em uma festa, aproximando-se de Luana num raio inferior ao determinado pela Justiça.

Quando a audiência de Silvio finalmente ocorreu, o juiz determinou a prisão do taxista. Ele foi enviado para a Polinter – como Dolabella. Ficou duas semanas numa cela superlotada, segundo ele, junto com criminosos do Comando Vermelho. Conseguiu, pagando R$ 6 mil, ser transferido para uma cela “especial”. Ficou mais uma semana preso (três semanas no total). Hoje aguarda o desfecho do processo criminal (por ameaça de agressão à mulher) e o cível (separação litigiosa). 

Entendo o espírito da lei, mas reconheço que é polêmica. O que o leitor – e a leitora – acham?

Observação: Como de costume, acolho todos os comentários, com elogios, críticas ou sugestões. Apenas não aceito, e excluo, comentários com ofensas, acusações sem provas, injúrias e difamação a pessoas citadas aqui ou a terceiros. Se deixei escapar algum, peço desculpas e solicito que me alertem. Obrigado

Autor: - Categoria(s): Brasil Tags: , ,
Voltar ao topo