Publicidade

Publicidade

29/05/2009 - 15:27

Luxemburgo ataca jornalistas “corintianos”, mas é criticado por “palmeirenses”

Compartilhe: Twitter

Jornalista pode ter time? E pode torcer? A resposta à primeira pergunta é fácil: lógico que sim. A segunda é mais complicada. Pode torcer desde que não esteja no ambiente de trabalho ou em missão profissional – do contrário, a confusão é enorme. Foi a propósito deste assunto que entrevistei, para o Último Segundo, o radialista Eraldo Leite, presidente da Associação de Cronistas Esportivos do Rio de Janeiro.

A ACERJ acaba de advertir um jornalista que, no último domingo, comemorou e gritou acintosamente na Tribuna de Imprensa do Maracanã depois de um gol do Fluminense. O fato foi noticiado no site da entidade. É uma situação inédita, até onde eu sei – uma associação de jornalistas esportivos vir a público ensinar como os profissionais devem se comportar no ambiente de trabalho.

Quase todo torcedor suspeita que os jornalistas esportivos beneficiem os seus clubes de coração em suas reportagens, análises e comentários. Os profissionais sérios e respeitados convivem bem com essa questão – sabem que podem falar abertamente o nome do time que torcem sem que o trabalho que fazem seja afetado.

Uma novidade esta semana foi a suspeita levantada por um técnico, o sempre polêmico Vanderlei Luxemburgo, sobre a isenção dos críticos que atacaram o pífio desempenho do Palmeiras, nesta quinta-feira, no Parque Antarctica, contra o Nacional, de Montevidéu. Segundo o técnico, os seus críticos são jornalistas corintianos. Eis o que disse:

“Tenho percebido que há uma má vontade grande contra a gente. Nos outros clubes as mesmas coisas acontecem, mas aqui têm mais críticas. Percebo que são corintianos que precisam tirar a camisa do time e ter mais calma na análise”.

Em seu blog, Opiniões em Campo, o jornalista Allan Brito resolveu “comprar” a provocação de Luxemburgo e trouxe os comentários de dois colunistas considerados torcedores do Palmeiras, Mauricio Noriega e Mauro Beting, sobre o desempenho do Palmeiras em campo. São críticas fortes que provam, mais uma vez, o eu que eu disse antes: jornalistas sérios não confundem a paixão por seus clubes com a isenção profissional.

Autor: - Categoria(s): Esporte, jornalismo Tags: , , , ,
16/12/2008 - 16:23

Madonna cai e a música continua igual. Será playback?

Compartilhe: Twitter

O jornalista Claudio Henrique, músico talentoso e de ouvido apurado, me alertou para uma discussão que começa a ganhar corpo no You Tube. Várias pessoas que viram o vídeo com a queda de Madonna ficaram com a impressão que ela está cantando com a ajuda de playback, ou seja, em versão gravada previamente. Afinal, durante o tombo a voz da cantora não dá nem uma tremida. “Vantagens e perigos do playback”, diz Claudio Henrique.

Nesta versão do vídeo, postada na Internet, a tese do playback já ganhou várias adesões. Será que Madonna imitou sua discípula Britney Spears, que foi vaiada ao fazer show com playback no Rock in Rio 3, em 2001?

Autor: - Categoria(s): Cultura Tags: , , , , ,
Voltar ao topo