Publicidade

Publicidade

04/05/2009 - 15:22

O que o Maroni estava fazendo no vestiário do Corinthians?

Compartilhe: Twitter

Enquanto Ronaldo criticava a desorganização da final do Campeonato Paulista, em entrevista histórica depois do jogo, Oscar Maroni passou ao meu lado e sussurrou: “Vou oferecer um passe-livre de um ano no Bahamas para ele”.

Lembro que ainda pensei algo como “o que o Maroni está fazendo aqui?”, mas logo voltei a prestar atenção no craque, que aproveitou a entrevista para passar um pito nos jornalistas e na Federação Paulista. Quando a entrevista estava se aproximando do final, Ronaldo advertiu o repórter que segurava o microfone: “Que seja boa esta pergunta, porque é a última”. Como relatei no texto “Ronaldo, o verdadeiro imperador”, o colega até perdeu o rebolado depois dessa e fez uma pergunta pouco original sobre as relações do jogador com o Corinthians.

Assim que o jogador terminou de responder e ameaçou se levantar, houve um burburinho e alguém pediu: “Mais uma, Ronaldo”. O craque assentiu com a cabeça e, então, Maroni reapareceu, com o microfone na mão, fazendo propaganda de sua casa noturna, fechada pela Prefeitura sob a acusação de facilitar a prostituição.

Foi um incidente menor, diante de tudo que aconteceu, para o bem e para o mal, domingo no Pacaembu. Mas permanece a pergunta: o que o Maroni estava fazendo numa área reservada a jornalistas, junto ao vestiário do Corinthians?

Autor: - Categoria(s): Esporte Tags: , ,
06/10/2008 - 12:05

Cara de pau não garante eleição

Compartilhe: Twitter

Este blog não trata de política, mas o repórter que publica notas aqui acompanhou as eleições para o Último Segundo. Entrevistei dois candidatos a vereador que me surpreenderam pela autenticidade, quase cara de pau. O apresentador Sergio Mallandro declarou: “Malandro por malandro, vote no verdadeiro. No Mallandro do bem, no Mallandro trabalhador. Trabalhei a minha vida inteira”. Não colou: com 22.066 votos o candidato do PTB não foi eleito. Já o empresário Oscar Maroni, dono do Bahamas, declarou que preferia legislar em causa própria, e defender um projeto que lhe traria benefícios, do que “vir com aquela hipocrisia de saúde, educação e escola”. O efeito foi menor ainda: o candidato do PT do B conseguiu apenas 5.804 votos. Também ficou longe de conseguir um posto, na Câmara de Vereadores do Rio, Cleilton Ferreira, candidato pelo PMDB, que defendia a aplicação dos recursos do IPTU nos bairros onde o imposto foi pago. O “homem do IPTU”, como se autodenomina, teve 5.140 votos. 

Outra candidata que cruzou com os interesses deste blog foi a cantora Gretchen. A mãe de Thamy Miranda, “tia” de Carolina Miranda e irmã de Sula Miranda disputou a prefeitura da ilha de Itamaracá (PE) pelo PPS. Outro fiasco: Maria Odete Brito de Miranda ficou em terceiro lugar, com 343 votos, ou 2,85% do total. 

Por fim, como ocorre em toda eleição, mas nunca deixa de surpreender, percebo que, somente na cidade de São Paulo, 17 candidatos a vereador não registraram nenhum voto… Nem o próprio! É verdade que nessa lista aparecem os nomes de candidatos que tiveram votos, mas a justiça eleitoral não os registra pois as candidaturas estão sub judice. Mas sempre tem alguém que se inscreve para disputar a eleição e depois desiste. Ou se esquece…

Autor: - Categoria(s): Política Tags: , , ,
Voltar ao topo