Publicidade

Publicidade

07/12/2009 - 10:32

Torcida mantém Botafogo na primeira divisão

Compartilhe: Twitter

botafogo torcidaApesar da vocação deste time para disputar a Série B, o Botafogo encontrou, quase que por milagre, o caminho para permanecer na primeira divisão. Como há muito tempo não se via, a torcida fez a diferença nos últimos dois jogos disputados no Engenhão, contra o São Paulo e o Palmeiras.

Os rivais adoram brincar que a torcida do Botafogo cabe numa Kombi. Como a auto-estima do botafoguense não é lá essas coisas, estamos sempre precisando provar que temos uma torcida de verdade, apaixonada e dedicada, capaz de lotar qualquer estádio.

O Engenhão, nesse sentido, veio bem a calhar. Ele parece perfeito para as dimensões atuais do Botafogo. Um estádio moderno, com capacidade para 44 mil torcedores, capaz de produzir aquele efeito que os jogadores sentem em campo.

Depois de levar 26 mil pessoas ao Engenhão contra o São Paulo, o Botafogo, desesperado, atraiu 38 mil torcedores neste último domingo, contra o Palmeiras. É verdade que a diretoria reduziu o preço dos ingressos, mas na situação em que o time estava, precisando vencer um dos líderes do campeonato para se salvar, esse número mostra que a torcida deu prova de coragem, dedicação e amor pelo time.

Botafogo gloriosoCuriosamente, essa reta final do Brasileiro, triste para o Botafogo, lutando contra o rebaixamento, coincide com o lançamento de uma nova fornada de livros sobre o time. São quatro títulos que, ao iluminar as glórias e lembrar os heróis que já vestiram a camisa alvinegra, ajudam a explicar a paixão de seus torcedores.

Três desses livros integram a coleção “Paixão Entre Linhas”, da editora Leitura, dedicada aos doze principais times do Brasil. Os volumes vem acondicionados em uma caixa com as cores da bandeira do time. O livro principal, “Botafogo: o Glorioso!”, é de autoria de um dos mais famosos jornalistas botafoguenses, o apaixonado Roberto Porto, autor de outro livro essencial para o torcedor alvinegro, “Botafogo, 101 Anos de Histórias”.

Neste “O Glorioso!”, Porto relembra histórias saborosas, desde os primórdios, detendo-se, naturalmente, nos períodos mais gloriosos (décadas de 50 e 60) e chegando até 1995, ano da conquista do Brasileiro pelo Botafogo. Como todos os títulos desta coleção, o do Botafogo é acompanhado por um livro infantil, “Uma Estrela Solitária que Conduz”, de Eduardo Ávila, e um pequeno volume com dados históricos sobre o time.

Botafogo 10 maisO outro lançamento é “Os Dez Mais do Botafogo”, do jornalista Paulo Marcelo Sampaio. O livro integra uma coleção da Maquinária Editores, que já lançou livros semelhantes sobre outros times.

Como nos demais volumes, a seleção dos “dez mais” é feita a partir das indicações de dez torcedores ilustres. O que diferencia o livro dedicado ao alvinegro é a qualidade dos dez nomes escolhidos: Heleno de Freitas, Nilton Santos, Garrincha, Didi, Zagallo, Manga, Gerson, Jairzinho, Paulo Cezar e Túlio.

Não preciso dizer nada sobre esses dez jogadores que brilharam com a camisa do Botafogo. É em nome deles, e de muitos outros que não couberam no livro de Paulo Marcelo Sampaio, que os torcedores foram ao Engenhão neste domingo empurrar o time. Que o Botafogo volte, em 2010, a honrar a sua tradição. A sua torcida merece.

No iG Esporte há uma enquete para saber, entre os dez mais do Botafogo, qual é o preferido do leitor.

Crédito da foto da torcida, domingo, 6 de dezembro, no Engenhão: Gazeta Press

Autor: - Categoria(s): Esporte Tags: , , , , ,
31/08/2009 - 11:15

Muricy ignorado, vaiado e aplaudido: os diferentes sons do Morumbi

Compartilhe: Twitter

Cheguei ao Morumbi por volta das 15h de domingo. Às 15h30, me sentei na arquibancada, atrás de um dos gols, no setor onde ficam as torcidas organizadas Independente e Dragões da Real. Meu objetivo era observar como os torcedores mais fanáticos do São Paulo reagiriam à presença de Muricy Ramalho, o técnico que levou o clube a conquistar as três últimas edições do Brasileiro, no banco do arquirrival Palmeiras.

Alguns dias antes da partida, o meia Hermanes, um fã declarado de Muricy, havia orientado a torcida: “Se eu fosse torcedor, deixaria o que já passou. Agora, é nova história. O Muricy foi treinador aqui, mas não é mais. Nossa torcida tem que receber o Ricardo Gomes e os jogadores do São Paulo”, afirmou.

Fiquei no meu lugar até as 16h50. Ao longo de todo esse período não ouvi nenhuma menção a Muricy. Nem vaias nem aplausos. Escrevi no iG Esporte:

Na arquibancada, as principais torcidas organizadas do São Paulo optaram por receber em silêncio o técnico do Palmeiras. Nem a Independente nem a Dragões da Real se manifestaram em relação ao comandante da equipe que venceu os últimos três Brasileiros.

Como de hábito, antes do início da partida, as organizadas gritaram os nomes de todos os jogadores do São Paulo – com exceção de Richarlyson – e até do técnico Ricardo Gomes (um mirrado grito de “Ricardo! Ricardo! Ricardo!”).

No segundo tempo, me transferi para o lado oposto da arquibancada, onde ficam torcedores sem vínculo com as organizadas. Também ali, não ouvi nenhuma referência a Muricy, nem contra nem a favor. Deixei o setor aos 30 minutos do segundo tempo e assisti o final da partida no setor reservado à imprensa.

Mas um estádio de futebol é um lugar muito grande. E um repórter não dá conta de ouvir tudo que se passa ali. Com 41 mil espectadores pagantes neste domingo, o Morumbi também acolheu gente que gritou o nome de Muricy e gente que vaiou o técnico do Palmeiras. 
 
Não sei onde essas manifestações ocorreram, mas registro abaixo o que os jornais observaram a respeito do assunto nesta segunda-feira:

Folha de S.Paulo: “O técnico palmeirense foi recebido com vaias por parte da torcida, quando seu nome foi anunciado no placar eletrônico”.

O Estado de S.Paulo: “Os torcedores são-paulinos se dividiram nas arquibancadas. Enquanto alguns vaiaram na hora em que o nome do treinador foi anunciado, a maioria gritou ‘É Muricy’ logo depois”

O Globo: “Vaiado por uma parte da torcida são-paulina, aplaudido por outra”.

Agora: “Timidamente, parte da torcida são-paulina o homenageou com o coro de ‘é, Muricy’. Houve vaias também quando a torcida palmeirense gritou o seu nome.”

Jornal da Tarde: “Parte da torcida tricolor o vaiou timidamente, mas também houve alguns aplausos.”

Autor: - Categoria(s): Esporte, jornalismo Tags: , , , , , , ,
25/03/2009 - 11:05

BBB9 – Como no estádio, cada espectador vê um jogo diferente

Compartilhe: Twitter

Dia seguinte de paredão é sempre parecido. Dentro da casa, aquela ressaca. Aqui fora, os torcedores saem da toca para manifestar as suas preferências, comemorar e reclamar. Já estou me acostumando.

Na caixa de e-mails, às quartas-feiras, começam a pipocar mensagens de leitores que acompanham o programa pelo “pay per view”, 24 horas por dia, com “denúncias” variadas sobre o que os personagens fazem dentro da casa, mas a edição do programa não mostra. Também são comuns as mensagens me alertando para o fato de que a direção do programa está “conspirando” a favor deste ou contra aquele candidato. Recebo, ainda, “denúncias” sobre “fatos escandalosos” que os pais, parentes e amigos dos confinados fazem fora da casa para ajudar os “brothers”.

Outro termômetro é a caixa de comentários das críticas que escrevo. Nesta terça-feira, escrevi sobre a piada que o programa fez com Ana, exibindo um monstrinho de desenho animado correndo atrás da loirinha, que se diz “perseguida” pelos outros candidatos. O texto foi publicado por volta da uma da manhã desta quarta. Ao religar o computador, às 9h30, já havia 200 comentários – muitos me agradecendo por ter “desmascarado a farsa” que é Ana, outros felizes por eu ter “denunciado” o que a edição do programa e Bial fizeram com a candidata.

Um pouco como no jornalismo esportivo, acho, não importa o que você escreve quando está mexendo com os sentimentos de torcedores apaixonados. Cada um lê como quer e aproveita a oportunidade para mandar a sua mensagem – ou o seu petardo.

Em tempo: O meu texto, Bial faz piada com a “perseguida” e expõe “Lado Ana” ao ridículo, está publicado, como sempre, no site especial do iG dedicado ao programa.

Autor: - Categoria(s): televisão Tags: , , , , , ,
12/03/2009 - 10:09

Corintiano dá instruções ao time e pede o salário de Mano

Compartilhe: Twitter

Assisti Corinthians e São Caetano no Pacaembu. Atrás de mim sentou-se um daqueles torcedores fanáticos, que passam o jogo inteiro dando instruções aos jogadores e fazendo comentários críticos. O sujeito só não criticou Ronaldo. Os demais… Douglas, André Santos, Felipe, ninguém escapou da fúria do torcedor. Mas o seu principal alvo era o meia Boquita. “O Boquita é preso”, começou ele, reclamando da falta de mobilidade do jogador. “Olha esse Boquita!”, suspirava, a cada passe errado. “Esse Boquita é uma merda!”, decretou ao final do primeiro tempo.

Antes do início do segundo tempo, o placar eletrônico anuncia. Sai Boquita, entra Dentinho. Consagrado, o torcedor atrás de mim enche o peito e diz: “Viu? E eu não ganho 450 paus!”. A referência, claro, era ao técnico Mano Menezes (salário de R$ 350 mil mensais), que fez a substituição.

O meu relato da noite consagradora de Ronaldo está publicado no Último Segundo (Fiel se rende a Ronaldo; só falta inventar um grito de guerra para Ele), em texto que descrevo o clima de paixão entre a torcida e o Fenômeno. Neste link aqui, também há uma reportagem em vídeo da noite gloriosa do atacante.

Autor: - Categoria(s): Esporte Tags: , , , ,
10/03/2009 - 14:49

Belluzzo pede bom humor e autoironia ao torcedor

Compartilhe: Twitter

Passou sem a merecida repercussão, talvez por culpa daquele golzinho do Ronaldo, uma sábia manifestação do presidente do Palmeiras. Em texto intitulado “O palmeirensismo”, publicado na mais recente edição da revista “CartaCapital”, Luiz Gonzaga Belluzzo discorre sobre características peculiares desta sua religião, mas o faz com tamanha clareza e didatismo que as lições ali contidas podem ser lidas e absorvidas por fiéis de outros credos.

Belluzzo escreve sob o impacto da derrota do Palmeiras para o Colo-Colo por 3 a 1, pela Taça Libertadores, em casa, no último dia 3, e antes do empate com o Corinthians, em Presidente Prudente.

“Antes do jogo com o Colo-Colo, o time do Palmeiras era o melhor do Brasil, cuíca do mundo. Os jogadores, todos jovens, maravilhosos. O treinador, genial. Conseguiu entrosar o time em pouco tempo. Isso, a despeito das cautelosas advertências do Vanderley Luxemburgo sobre a precocidade, os exageros e as irrealidades das celebrações.”

Depois da derrota Belluzzo sentiu na pele o mau humor da chamada Turma do Amendoim – um grupo de torcedores fanáticos, normalmente alojados nas numeradas do Parque Antarctica, que gosta de dar palpites sobre a gestão do futebol do clube.

“Depois da derrota, o time não valia nada. Fora os telefonemas de palestrinos, uns furiosos outros angustiados, minha caixa postal ficou entupida de sugestões de novas contratações e modificações táticas urgentes. (…)A Turma do Amendoim não perdoa erro de respiração em minuto de silêncio. Pergunto ao caro leitor, seja ele palmeirense ou muito ao contrário: você conhece outro time no mundo que tenha uma torcida como a Turma do Amendoim? Duvido.”

Belluzzo diz não se incomodar com as críticas e palpites, mas lamenta, na conclusão do artigo, sentir falta de bom humor e auto-ironia nas reflexões pós-derrota. Escreve o mestre:

“A nossa proverbial intolerância com as falhas de nossos atletas está fazendo esmaecer a outra virtude, aquela que nos distinguia dos torcedores comuns: a sabedoria de tratar a amargura das derrotas com humor e autoironia, atitude própria dos que conhecem as limitações da condição humana. É isso que assegurou, no século XX, nossa trajetória vitoriosa acima de qualquer resultado contingente.”

A capacidade de rir de si mesmo, nos piores momentos, é o que distingue os grandes dos pequenos. É isso que pede Belluzzo à Turma do Amendoim – um pedido válido, evidentemente, ao torcedor de qualquer time. A íntegra do texto pode ser lida no site da revista, aqui.

Autor: - Categoria(s): Esporte Tags: , , ,
Voltar ao topo