Publicidade

Publicidade

13/10/2009 - 12:39

Woody Allen exibe cartões postais para continuar filmando

Compartilhe: Twitter

Dirigindo praticamente um filme por ano desde 1969, Woody Allen entrou no século XXI em plena atividade, mas com dois problemas sérios. Primeiro, entrou em litígio judicial com sua produtora e amiga de mais de 40 anos, Jean Doumanian, a quem acusou de desviar os lucros de oito filmes. Depois, colecionando resultados não mais que medianos nas bilheterias, viu crescerem as dificuldades de encontrar recursos para financiar seus novos filmes.

A luz no fim do túnel encontrava-se na Europa – onde Allen sempre foi respeitado pela crítica. A partir de 2005, deu início a uma série de co-produções relativamente bem-sucedidas, ambientadas fora dos Estados Unidos. Em sequência, fez três filmes na Inglaterra (“Match Point, 2005; ”Scoop”, 2006; e “O Sonho de Cassandra”, 2007) e um quarto (“Vicky Cristina Barcelona”, 2008) na Espanha.

Em 2009, Allen voltou a Nova York, para rodar “Whatever Works”, cuja estreia está programada para 6 de novembro no Brasil, tendo o comediante Larry David no papel principal. Mas já retornou a Londres, para rodar o filme de 2010, ainda sem título anunciado, mas com elenco de primeira: Naomi Watts, Antonio Banderas e Anthony Hopkins.

Foi nesse contexto que surgiu a idéia de ambientar um filme no Rio de Janeiro. Allen soltou a deixa em algumas entrevistas e logo a coisa prosperou. A Prefeitura do Rio e o governo do Estado entenderam rapidamente que era a chance de divulgar a cidade num outdoor de alcance mundial. E produtores locais perceberam a chance de fazerem figura internacional e, até, ganhar algum dinheiro com o filme ao se associarem a Allen.

Nesta terça-feira, o diário “Los Angeles Times” descreve o periplo de dois produtores de Woody Allen em busca de locações pelo Rio de Janeiro e fala do esforço municipal e estadual em garantir que o cineasta faça um filme na cidade. Além da divulgação de uma imagem positiva do Rio, sediar uma produção cinematográfica também movimenta a economia da cidade, gerando empregos e recursos, argumenta o lobista oficial de Hollywood no Brasil, Steve Solot.

vickybarcelona postalO interesse governamental chama a atenção para o calcanhar de Aquiles destes filmes mais recentes de Allen. Como já havia ocorrido com Veneza em “Todos Dizem Eu Te Amo” (1996), Londres e Barcelona tornaram-se cidades óbvias, de cartão postal, nas produções recentes do cineasta.

Embora continue afiado, fazendo bons filmes, todas essas produções estrangeiras de Woody Allen padecem do mesmo problema: a ambientação de cenas que, às vezes, parecem mais de divulgação turística do que qualquer outra coisa (caso da cena acima, de “Vicky Cristina Barcelona”).

O cinema é um negócio pesado, do ponto de vista dos recursos necessários para a sua realização. Tudo bem. Entendo que o Rio possa lucrar com um filme de Woody Allen, e não tenho nada a ver com isso. Mas lamento ver o cineasta sendo obrigado a se dobrar a interesses turísticos para conseguir prosseguir a sua carreira.

Autor: - Categoria(s): Cultura Tags: , , ,
28/04/2009 - 13:41

Woody Allen: A insegurança do artista aos 74 anos

Compartilhe: Twitter

Em excelente entrevista a Marília Martins, nesta terça-feira, em “O Globo”, Woody Allen fala de seu novo filme, “Whatever Works”, que marca a volta do cineasta à Nova York, depois de quatro produções na Europa. Allen diz que evitou os cartões postais de Manhattan e filmou “uma Nova York da crise econômica”.

Em outra passagem da entrevista, ele fala da dificuldade de conseguir filmar hoje nos Estados Unidos. É muito caro, diz, “até mesmo para mim, que tenho filmes de orçamento barato”. Por esse motivo, o cineasta volta em breve à Londres, para filmar uma comédia romântica com Nicole Kidman, Anthony Hopkins e Antonio Banderas, e cogita, no futuro, filmar no Brasil:

“São conversas ainda preliminares. É claro que precisaria estudar um pouco sobre o país para ver um roteiro que se adapte bem por lá. Mas estou interessado em fazer este filme no Brasil, se a oferta da produção seguir adiante”, diz (um resumo da entrevista pode ser lido aqui).

Mas a parte que eu mais gostei foi o seguinte diálogo. Pergunta: “E como foi a reação da platéia na estréia de ‘Whatever Works’?” Resposta: “Bem, não vi. Eu subi ao palco, tirei umas fotos e saí dali correndo para jantar com minha mulher, enquanto as pessoas viam o filme. Depois, veio um monte de gente até o restaurante apertar a minha mão. Eles disseram que gostaram, mas eu nunca sei.”

Woody Allen tem 74 anos e já fez 45 filmes. Ainda fica nervoso quando estréia um filme e inseguro em relação ao que pensam da sua obra. Eis um artista, ainda inquieto, preocupado em criar e eternamente insatisfeito. De tirar o chapéu!

Autor: - Categoria(s): Cultura Tags: , , ,
16/11/2008 - 17:29

“Leonera” e “Vicky Cristina Barcelona”: dois bons programas nos cinemas

Compartilhe: Twitter

Em exibição em São Paulo, “Leonera”, do argentino Pablo Trapero, e “Vicky Cristina Barcelona”, do americano Woody Allen, foram apresentados em Cannes, este ano, com repercussões muito diferentes.

Ambientado quase integralmente dentro de uma prisão de segurança máxima, “Leonera” conta a história das transformações na vida de uma mulher, Julia Zarate (a ótima Martina Gusmán), ao longo de cinco anos. Acusada de assassinar o namorado, numa noite da qual ela não se lembra dos detalhes, Julia entra na prisão grávida de um menino, o qual será rejeitado ainda na barriga e nos primeiros meses de vida, mas que acabará se transformando no motivo principal da vida da mãe, que lutará por ele como uma leoa.

Mais impactante que a história, é o olhar delicado de Trapero na descrição da vida de Julia dentro de uma área do presídio ocupada apenas por mulheres grávidas ou com filhos. Matina Gusmán chegou a ser citada como forte candidata a um prêmio em Cannes por sua interpretação – prêmio ao final conquistado por Sandra Corveloni, a protagonista de “Linha de Passe”, de Walter Salles e Daniela Thomas. Salles, por sinal, é co-produtor de “Leonera”, que conta com Rodrigo Santoro no elenco, em uma pequena participação.

Quatro personagens marcantes dão o ritmo a “Vicky Cristina Barcelona”, o quarto filme seguido (depois de “O Sonho de Cassandra”, “Scoop” e “Match Point”) de Woody Allen ambientado fora dos Estados Unidos. De um lado, duas amigas americanas, Vicky (Rebecca Hall) e Cristina (Scarlett Johansson), chegam à capital da Catalunha para dois meses de férias. Vão conhecer primeiro Juan Antonio (Javier Barden) e, na seqüência, sua ex-mulher, Maria Elena (Penolope Cruz), e ambos vão aplicar uma espécie de “choque cultural” nas americanas.

Vicky e Cristina vão extrair lições diferentes desta viagem iniciática, narrada em tom de fábula moral por Allen. Parece natural, neste percurso, que tanto o cenário (uma Barcelona de cartão postal) quanto as dúvidas e inquietações das personagens tenham cara de clichê, mas é desse repetição de lugares-comuns que o cineasta extrai a graça e a leveza de sua história – para não falar das três lindas intérpretes e do galã da história. Ainda que não tenha comovido a séria platéia de Cannes, “Vicky Cristina Barcelona” transborda bom humor e juventude – qualidades de tirar o chapéu para um cineasta de 72 anos e mais de 40 longas-metragens.

Autor: - Categoria(s): Cultura Tags: , , ,
Voltar ao topo